Louvável esforço do Bispo D. Paulo e Pe. Leles

A Diocese de Uberlândia recentemente passou a ter mais uma missa dominical. Trata-se da missa celebrada às 16 horas na Catedral Santa Teresinha. Essa missa, segundo palavras do padre que a celebra, o Pe. José do Prado Leles, foi um pedido do próprio bispo. “Uma missa solene a ser rezada aos domingos em nossa catedral, o que é comum em várias dioceses do Brasil e do mundo”.

Não se trata ainda, entretanto, de uma Missa na forma extraordinária, conforme definida no Motu Proprio Summorum Pontificum de 07 de julho de 2007, de Bento XVI.

O espírito que moveu à realização dessa missa nesse horário, entretanto, parece ótimo: uma vontade do bispo e do padre em atender o desejo do Santo Padre em disponibilizar ao povo católico o enorme tesouro espiritual litúrgico da Santa Igreja.

Conforme palavras do Pe. Leles, em uma carta sua aos fiéis assistentes dessa missa, “não podemos desprezar o tesouro espiritual, cultural e religioso que o Santo Padre oferece à Igreja”.

“O ritual, incluindo os paramentos, movimentos e gestos do sacerdote celebrante, bem como dos acólitos e dos fiéis, ressalta a grandeza, a seriedade e o respeito devidos à Fé daquela comemoração litúrgica: a ‘RENOVAÇÃO DO SACRIFÍCIO DO CALVÁRIO’.”

Num tempo como esses em que se cometem frequentes e intensos abusos litúrgicos, e “não se atendo de maneira fiel às prescrições do novo Missal, (…) levou frequentemente a deformações da Liturgia no limite do suportável” (Bento XVI, em carta aos bispos acompanhada do M.P. Summorum Pontificum), é muito louvável essa atitude do Bispo. Como ficará contente o Papa Bento XVI em saber que conta com obedientes servos seus quando talvez pense que esteja lutando um tanto sozinho pela restauração da liturgia católica! Em tempo em que se observa feroz rebelião (dos próprios bispos) contra o Vigário de Cristo, essa é uma atitude grandiosa e heróica desse nosso amado bispo!

Claro está pelas palavras do Pe. Leles que logo se começará a celebrar, em Uberlândia, a Missa segundo o Missal do Beato João XXIII, ou seja, segundo o rito de 1962: “porém não havendo um padre preparada adequadamente, isso não pode ser oferecido ao povo, pois (…) trata-se de conhecer também o antigo rito”.

Os fiéis católicos de Uberlândia esperam sinceramente que, empenhando-se o máximo possível para aprender a celebrar o Santo Sacrifício no rito tridentino, o reverendo padre possa em pouquíssimo tempo já fazer essa maravilhoso gesto católico de restauração da liturgia e culto católico!

Assim termino esse post de homenagem, dizendo-me na esperança de poder assistir em breve, em Uberlândia, a Santa Missa segundo o rito conhecido por todos os santos dos últimos séculos!

V. F.