Liturgia Diária- 21/04/2018

SANTO ANSELMO, Bispo, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa “In Medio”

Santo Anselmo nasceu em Aosta, no Piemonte, e fez-se monge no mosteiro de Bec-Hellouin, na Normandia, presidido pelo seu compatriota Lanfranco, a quem sucedeu em 1078 como abade de Bec, e em 1093 como arcebispo de Cantuária. Tão sabedor de Teologia como de Filosofia, S. Anselmo foi um dos precursores da Teologia Escolástica. Os seus escritos valeram-lhe o título de doutor da Igreja. Como arcebispo defendeu energicamente a liberdade da Igreja contra tirânicas ambições dos reis da Inglaterra. “Cristo nada ama tanto no mundo, afirmava, como a liberdade da sua Igreja”. Santo Anselmo morreu em Cantuária no dia 21 de abril de 1109. 

LEITURAS

Epístola (II Tim 4, 1-8 )

Leitura da Segunda Carta de São Paulo Apóstolo a Timóteo. 

Caríssimo, eu te conjuro em presença de Deus e de Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, por sua aparição e por seu Reino: prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir. Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas. Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério. Quanto a mim, estou a ponto de ser imolado e o instante da minha libertação se aproxima. Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. Resta-me agora receber a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos aqueles que aguardam com amor a sua aparição.

Evangelho (Mt 5, 13-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus. 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa. Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus. Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição. Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei. Aquele que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar assim aos homens, será declarado o menor no Reino dos céus. Mas aquele que os guardar e os ensinar será declarado grande no Reino dos céus.

 

Anúncios

Liturgia Diária- 11/04/2018

SÃO LEÃO MAGNO, Papa, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa “Si diligis me”

Eleito para a cadeira de São Pedro em 440, na ocasião em que os bárbaros irrompiam de todos os lados através das fronteiras do Império, e em que a própria Igreja estava dividida pela heresia, São Leão dirigiu os destinos do mundo cristão com firmeza e largueza de vistas tais, que se tornou não só o guardião da fé, mas também o salvador da civilização ocidental. Ficou célebre o seu encontro com Átila, “o flagelo de Deus”, o qual determinou o Huno a retirar-se, estando Às portas de Roma. A sua intervenção nas lutas doutrinárias não foi menos importante: São Leão faz definir pelo Concílio de Calcedônia, em 451, a existência de duas naturezas, divina e humana, na pessoa única de Cristo. Morreu em 461. Compôs para o missal muitas orações, das mais belas que ainda hoje temos. Todos os sacerdotes conhecem do breviário os seus belos sermões para as grandes festas do ano litúrgico; nestas obras a magnificência de estilo vai de par com a solidez da doutrina. 

LEITURAS

Leitura (1 Ped 5, 1-4; 10-11)

Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo 

Caríssimos: Eis a exortação que dirijo aos anciãos que estão entre vós; porque sou ancião como eles, fui testemunha dos sofrimentos de Cristo e serei participante com eles daquela glória que se há de manifestar. Velai sobre o rebanho de Deus, que vos é confiado. Tende cuidado dele, não constrangidos, mas espontaneamente; não por amor de interesse sórdido, mas com dedicação; não como dominadores absolutos sobre as comunidades que vos são confiadas, mas como modelos do vosso rebanho. E, quando aparecer o supremo Pastor, recebereis a coroa imperecível de glória. O Deus de toda graça, que vos chamou em Cristo à sua eterna glória, depois que tiverdes padecido um pouco, vos aperfeiçoará, vos tornará inabaláveis, vos fortificará. A ele o poder na eternidade! Amém.

Evangelho (Mt 16, 13-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus 

Naquele tempo, chegando ao território de Cesareia de Filipe, Jesus perguntou a seus discípulos: No dizer do povo, quem é o Filho do Homem? Responderam: Uns dizem que é João Batista; outros, Elias; outros, Jeremias ou um dos profetas. Disse-lhes Jesus: E vós quem dizeis que eu sou? Simão Pedro respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo! Jesus então lhe disse: Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.

Liturgia Diária- 12/03/2018

SEGUNDA-FEIRA DA 4ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe- Missa Própria, com Comemoração de São Gregório Magno

O paralelismo entre a epístola e o evangelho refere-se, hoje, ao Templo de Salomão. A história do célebre julgamento de Salomão, recorda o prestígio de que gozava, entre o povo de Israel, a memória do grande rei, a quem se devia a construção do Templo. Por contraste, as palavras audaciosas de Jesus, deixam entender que o verdeiro objeto do culto é Ele mesmo, e que o culto prestado no Templo era apenas uma prefiguração.

Prosseguindo a sua doutrinação, a liturgia emprenha-se, mais uma vez, em mostrar que as personagens e toda a história do Antigo Testamento, mais não foram que preparação e anúncio daquilo que Cristo e a sua Igreja deveriam realizar, quando chegasse a plenitude dos tempos.


SÃO GREGÓRIO MAGNO, Papa, Confessor e Doutor

Comemoração- Missa do dia, com 2ªs orações próprias

Depois de ter sido senador e prefeito de Roma, e mais tarde monge, abade e cardeal, São Gregório governou a Igreja como papa de 590 a 604. A Inglaterra deve-lhe a conversão ao cristianismo. Teve grande influência na aquisição dos bárbaros para a Igreja, quando, depois das invasões, a Europa se transformou por completo. Ao mesmo tempo, preocupava-se com a santidade do clero e com a manutenção da disciplina eclesiástica, com os interesses materiais do seu povo e com os interesses espirituais de toda a cristandade. A liturgia deve-lhe bastantes das suas mais belas preces, e o próprio nome de “canto gregoriano” lembra a intervenção do grande papa na elaboração do canto sagrado. Seus comentários sobre a Sagrada Escritura exerceram uma influência considerável sobre o pensamento cristão da Idade Média. É considerado, com Santo Ambrósio, Santo Agostinho e São Jerônimo, um dos quatro grandes doutores da Igreja latina. Morreu no dia 12 de março de 604 e foi sepultado na basílica de São Pedro. 


Páginas 264 a 268 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Leitura (I Rs 3, 16-28)


O julgamento de Salomão prefigura a obra de sabedoria e justiça, que Cristo deve realizar. Anuncia o reinado do Rei pacífico.


Leitura do Primeiro Livro dos Reis.

Naqueles dias: Vieram duas prostitutas apresentar-se ao rei. Uma delas disse: Ouve, meu senhor: Esta mulher e eu habitamos na mesma casa, e eu dei à luz junto dela no mesmo aposento. Três dias depois, deu também ela à luz. Ora, nós vivemos juntas, e não havia nenhum estranho conosco nessa casa, pois somente nós duas estávamos ali. Durante a noite morreu o filho dessa mulher, porque o abafou enquanto dormia. Levantou-se ela então, no meio da noite, e enquanto a tua serva dormia, tomou o meu filho que estava junto de mim e o deitou em seu seio, deixando no meu o seu filho morto. Quando me levantei pela manhã para amamentar o meu filho, encontrei-o morto; mas, examinando-o atentamente à luz, verifiquei que não era o filho que eu dera à luz. É mentira!, replicou a outra mulher, o que está vivo é meu filho; o teu é que morreu. A primeira contestou: Não é assim; o teu filho é o que morreu, o que está vivo é o meu. E assim disputavam diante do rei. O rei disse então: Tu dizes: é o meu filho que está vivo, e o teu é o que morreu; e tu replicas: não é assim; é o teu filho que morreu, e o meu é o que está vivo. Vejamos, continuou o rei; trazei-me uma espada. Trouxeram ao rei uma espada. Cortai pelo meio o menino vivo, disse ele, e dai metade a uma e metade à outra. Mas a mulher, mãe do filho vivo, sentiu suas entranhas enternecerem-se e disse ao rei: Rogo-te, meu senhor, que dês a ela o menino vivo; não o mateis; a outra, porém, dizia: Ele não será nem teu, nem meu; seja dividido! Então o rei pronunciou o seu julgamento: Dai, disse ele, o menino vivo a essa mulher; não o mateis, pois é ela a sua mãe. Todo o Israel, ouvindo o julgamento pronunciado pelo rei, encheu-se de respeito por ele, pois via-se que o inspirava a sabedoria divina para fazer justiça.

Evangelho (Jo 2, 13-25)


Jesus anuncia a sua morte e ressurreição. É Ele o Templo que vai ser destruído, mas que Ele mesmo há de restaurar, em três dias. Esta inesperada evocação revela a alma profunda do Salvador, consciente do mistério da redenção, que deve realizar-se em sua pessoa.


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Estava próxima a Páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. Encontrou no templo os negociantes de bois, ovelhas e pombas, e mesas dos trocadores de moedas. Fez ele um chicote de cordas, expulsou todos do templo, como também as ovelhas e os bois, espalhou pelo chão o dinheiro dos trocadores e derrubou as mesas. Disse aos que vendiam as pombas: Tirai isto daqui e não façais da casa de meu Pai uma casa de negociantes. Lembraram-se então os seus discípulos do que está escrito: O zelo da tua casa me consome (Sl 68,10). Perguntaram-lhe os judeus: Que sinal nos apresentas tu, para procederes deste modo? Respondeu-lhes Jesus: Destruí vós este templo, e eu o reerguerei em três dias. Os judeus replicaram: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu hás de levantá-lo em três dias?! Mas ele falava do templo do seu corpo. Depois que ressurgiu dos mortos, os seus discípulos lembraram-se destas palavras e creram na Escritura e na palavra de Jesus Enquanto Jesus celebrava em Jerusalém a festa da Páscoa, muitos creram no seu nome, à vista dos milagres que fazia. Mas Jesus mesmo não se fiava neles, porque os conhecia a todos. Ele não necessitava que alguém desse testemunho de nenhum homem, pois ele bem sabia o que havia no homem.

 

Liturgia Diária- 08/03/2018

QUINTA-FEIRA DA 3ª SEMANA DA QUARESMA

Féria de 3ª Classe- Missa Própria

Quase todos os textos falam da saúde espiritual e física, em alusão à tradição, que atribui a estes mártires a profissão de médicos. O evangelho refere várias curas miraculosas, que foram escolhidas intencionalmente. Na quadra quaresmal, curas e expulsões do demônio testemunham a missão do Salvador: Ele arranca os homens do poder de Satanás e restabelece neles o reino de Deus. A pertença a Deus supõe uma verdadeira conversão do coração e a retidão duma vida, que se empenha na prática dos mandamentos. A epístola no-lo recorda: não basta ir à igreja, é preciso mudar de vida.


SÃO JOÃO DE DEUS, Confessor

Comemoração- Missa própria do dia, com 2ªs orações da Missa “Os justi” (1º), exceto Coleta

São João de Deus era português. Foi primeiro pastor, depois mercador e soldado. Tendo se convertido aos 40 anos, consagrou-se ao cuidado dos alienados, e revelou-se, neste ingrato trabalho, um verdeiro inovador e um santo de sobre-humano heroísmo. Fundou a Ordem dos Irmãos Hospitaleiros, que tem o seu nome e foi reconhecida oficialmente em 1586. São joão de Deus morreu em Granada, em 1550. Leão XIII o nomeou patrono dos enfermeiros e dos doentes. 


Páginas 242 a 245, 1003 863 a 864 do Missal Quotidiano (D. Gaspar Lefebvre, 1963).


Missa às 18:30 horas na Capela Nossa Senhora de Lourdes (Rua Mário Paganini, 220, Roosevelt).


LEITURAS

Leitura (Jr 7, 1-7)


Seria vã uma Quaresma de jejuns e preces, se não fosse acompanhada da prática dos mandamentos, particularmente da caridade e da justiça com o próximo.


Leitura do profeta Jeremias.

Naqueles dias:  A palavra do Senhor foi-me dirigida nestes termos: por que repetis continuamente esse provérbio entre os israelitas: os pais comeram uvas verdes, mas são os dentes dos filhos que ficam embotados? Por minha vida – oráculo do Senhor Javé -, não tereis mais ocasião de repetir esse provérbio em Israel. É a mim que pertencem as vidas, a vida do pai e a vida do filho. Ora, é o culpado que morrerá. O homem justo – que procede segundo o direito e a eqüidade, que não participa dos festins das montanhas, que não volve os olhos para os ídolos da casa de Israel, que não desonra a mulher do próximo, e não tem relação com uma mulher durante o tempo de sua impureza, que não oprime ninguém, que restitui o penhor ao seu devedor, que não exerce a rapina, que dá seu pão aos famintos, e cobre com vestimenta o que está nu, que não empresta à taxa usurária e não recebe com juros, que afasta a sua mão da iniqüidade, e julga eqüitativamente entre um homem e outro, que segue os meus preceitos e observa as minhas leis, para proceder com retidão – esse homem é um justo: certamente viverá. Oráculo do Senhor Javé.

Evangelho (Lc 4, 38-44)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo: Saindo Jesus da sinagoga, entrou na casa de Simão. A sogra de Simão estava com febre alta; e pediram-lhe por ela. Inclinando-se sobre ela, ordenou ele à febre, e a febre deixou-a. Ela levantou-se imediatamente e pôs-se a servi-los. Depois do pôr-do-sol, todos os que tinham enfermos de diversas moléstias lhos traziam. Impondo-lhes a mão, os sarava. De muitos saíam os demônios, aos gritos, dizendo: Tu és o Filho de Deus. Mas ele repreendia-os severamente, não lhes permitindo falar, porque sabiam que ele era o Cristo. Ao amanhecer, ele saiu e retirou-se para um lugar afastado. As multidões o procuravam e foram até onde ele estava e queriam detê-lo, para que não as deixasse. Mas ele disse-lhes: É necessário que eu anuncie a boa nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão. E andava pregando nas sinagogas da Galileia.