Liturgia Diária- 31/07/2017

SANTO INÁCIO DE LOIOLA, Confessor

Festa de 3ª Classe- Missa Própria

Inácio nasceu em Loyola na Espanha, no ano de 1491, e pertenceu a uma nobre e numerosa família religiosa (era o mais novo de doze irmãos), ao ponto de receber com 14 anos a tonsura, mas preferiu a carreira militar e assim como jovem valente entregou-se às ambições e às aventuras das armas e dos amores. Aconteceu que, durante a defesa do castelo de Pamplona, Inácio quebrou uma perna, precisando assim ficar paralisado por um tempo; desse mal Deus tirou o bem da sua conversão, já que depois de ler a vida de Jesus e alguns livros da vida dos santos concluiu: “São Francisco fez isso, pois eu tenho de fazer o mesmo. São Domingos isso, pois eu tenho também de o fazer”.

Realmente ele fez, como os santos o fizeram, e levou muitos a fazerem “tudo para a maior glória de Deus”, pois pendurou sua espada aos pés da imagem de Nossa Senhora de Montserrat, entregou-se à vida eremítica, na qual viveu seus “famosos” exercícios espirituais, e logo depois de estudar Filosofia e Teologia lançou os fundamentos da Companhia de Jesus.

A instituição de Inácio iniciada em 1534 era algo novo e original, além de providencial para os tempos da Contra-Reforma. Ele mesmo esclarece: “O fim desta Companhia não é somente ocupar-se com a graça divina, da salvação e perfeição da alma própria, mas, com a mesma graça, esforçar-se intensamente por ajudar a salvação e perfeição da alma do próximo”.

Com Deus, Santo Inácio de Loyola conseguiu testemunhar sua paixão convertida, pois sua ambição única tornou-se a aventura do salvar almas e o seu amor a Jesus. Foi para o céu com 65 anos e lá intercede para que nós façamos o mesmo agora “com todo o coração, com toda a alma, com toda a vontade”, repetia.

LEITURAS

Epístola (II Tim 2, 8-10; 3, 10-12)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo a Timóteo.

Caríssimo: Lembra-te de Jesus Cristo, saído da estirpe de Davi e ressuscitado dos mortos, segundo o meu Evangelho, pelo qual estou sofrendo até as cadeias como um malfeitor. Mas a palavra de Deus, esta não se deixa acorrentar. Pelo que tudo suporto por amor dos escolhidos, para que também eles consigam a salvação em Jesus Cristo, com a glória eterna. Quanto a ti, te aplicaste a seguir-me de perto na minha doutrina, no meu modo de vida, nos meus planos, na minha fé, na minha paciência, na minha caridade, na minha constância, nas minhas perseguições, nas provações que me sobrevieram em Antioquia, em Icônio, em Listra. Que perseguições tive que sofrer! E de todas me livrou o Senhor. Pois todos os que quiserem viver piedosamente, em Jesus Cristo, terão de sofrer a perseguição.

Evangelho (Lc 10, 1-9)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas.

Naquele tempo, designou o Senhor  setenta e dois outros discípulos e mandou-os, dois a dois, adiante de si, por todas as cidades e lugares para onde ele tinha de ir. Disse-lhes: Grande é a messe, mas poucos são os operários. Rogai ao Senhor da messe que mande operários para a sua messe. Ide; eis que vos envio como cordeiros entre lobos. Não leveis bolsa nem mochila, nem calçado e a ninguém saudeis pelo caminho. Em toda casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz a esta casa! Se ali houver algum homem pacífico, repousará sobre ele a vossa paz; mas, se não houver, ela tornará para vós. Permanecei na mesma casa, comei e bebei do que eles tiverem, pois o operário é digno do seu salário. Não andeis de casa em casa. Em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei o que se vos servir. Curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes: O Reino de Deus está próximo.

Anúncios

Capítulo IV – “Escândalo para os judeus, Loucura para os pagãos” [A Cruz e o Crucificado]

“Prazerosa quietação da minha vida, sê bem-vinda, cruz querida. (…)

Quem não te ama vive atado, e da liberdade alheio

Quem te abraça sem receio não toma caminho errado.

Oh! ditoso o teu reinado, onde o mal não tem cabida!

Sê bem-vinda, cruz querida”

(Do poema À Cruz – S. Tereza de Jesus)

Após abordar nos capítulos anteriores a Igreja em seu aspecto mais geral, adentremos agora especificamente nos pontos em desacordo entre a doutrina católica e a das seitas protestantes, começando por um sumamente emblemático: o da cruz com o Crucificado. Os protestantes, em sua maioria, defendem que porque “Jesus já desceu da cruz” não há porquê de o representar crucificado. Nós, ao contrário, dizemos que justamente por assim ter escolhido morrer por nossos pecados é que a cruz se torna o troféu do qual se orgulhar. Quem tem a razão? É o que veremos neste capítulo. Note-se, antes, que há templos protestantes como, por exemplo, o de luteranos, metodistas e (sic!) batistas que possuem não só a imagem da cruz, mas com ela o Crucificado.

Continuar lendo

Liturgia Diária- 29/07/2017

SANTA MARTA, Virgem

Festa de 3ª Classe- Missa “Dilexisti” com Evangelho próprio.

image003

As escrituras contam que, em seus poucos momentos de descanso ou lazer, Jesus procurava a casa de amigos em Betânia, local muito agradável há apenas três quilômetros de Jerusalém. Ali moravam Marta, Lázaro e Maria. Há poucas, mas importantíssimas citações de Marta nas sagradas escrituras.

É narrado, por exemplo, o primeiro momento em que Jesus pisou em sua casa. Ali chegando Jesus conversava com eles e Maria estava aos pés do Senhor, ouvindo sua pregação. Marta, trabalhadora e responsável, reclamou da posição da irmã, que nada fazia ouvindo o Mestre. Jesus aproveita então para ensinar que os valores espirituais são mais importantes que os materiais, apoiando Maria em sua ocupação de ouvir e aprender.

Fala-se dela também quando da ressurreição de Lázaro. É ela quem mais fala com Jesus, nesse acontecimento. Marta disse a Jesus: “Senhor, se tivesses estado aqui, o meu irmão não teria morrido. Mas mesmo agora, eu sei que tudo o que pedires a Deus, Deus dará”. (Jo 11,20-22). O milagre de reviver Lázaro solicitado com tamanha simplicidade, por Marta, exemplifica a plena fé na onipotência do Senhor.


SANTOS FÉLIX, SIMPLÍCIO, FAUSTINO E BEATRIZMártires

Comemoração- Missa conforme à de Sta. Marta, com orações próprias

No mesmo dia de Santa Marta prima de Jesus, a Igreja comemora os mártires irmãos romanos Simplício, Faustino e Beatriz, que morreram pela fé de Cristo na perseguição dos imperadores Diocleciano e Maximiano.

Simplicio e Faustino de Roma foram presos. Como eram muito constantes na fé, um vigário do imperador mandou torturá-los e depois degolá-los, sendo seus corpos despejados no rio Tibre. Sua santa irmã Beatriz os recolheu para dar sepultura digna, e depois se escondeu na casa de uma santa viúva chamada Lucina, a qual passava dia e noite em oração, penitência e obras de piedade.

Sete meses durou esta santa companhia; mas o Senhor permitiu que um homem poderoso, chamado Lucrécio, ficasse cego de ambição e desejasse tirar de Santa Beatriz os seus bens de herança, juntando-os ao patrimônio que ele já possuía. Para poder fazê-lo mais facilmente e sem nada gastar de seu bolso, sabendo de sua condição de cristã, fez a ela um convite para sacrificar aos ídolos.

Como Beatriz confessou espontaneamente ser cristã e que de forma alguma adoraria a falsos deuses, Lucrécio a jogou na prisão, e à noite sufocou-a pelo pescoço até morrer. Sua santa amiga Lucina enterrou o corpo dela junto aos de seus irmãos Simplicio e Faustino. Mais tarde o Papa Leão II edificou um magnífico templo emRoma, e para lá trasladou os corpos santos destes mártires.

Para mostrar o tamanho mal que acontece aos que se deixam levar pela cobiça, e que o Senhor descobre e pune as ciladas e artifícios dos homens maus, convém saber como foi o castigo sofrido por Lucrécio.

O ímpio senhor, tão logo se apossou da herança de Beatriz, ofereceu a alguns de seus amigos uma festa para comemorar o delito. Enquanto ele se esbaldasse de alegria e chacota, zombando dos santos mártires e se sentindo dono da fazenda que não lhe pertencia, do nada compareceu ao banquete uma mulher com um bebê lactante aos braços. O bebê, em alto e bom som, disse diante de todos: “Olá, Lucrécio! Mataste, e te apossaste de bem alheio, e caíste em mãos de teu inimigo.”

Imediatamente Lucrécio caiu atordoado, ficou pálido e passou a sangrar; em seguida, ficou possesso do demônio, que lhe atormentou cruelmente durante três horas, para então morrer com grande dano à sua alma e grande proveito de muitos, que com tal fato entenderam que Deus não só reserva o prêmio aos bons e o castigo aos maus, como também tira a máscara dos que mentem e tramam, e mostra que as benesses obtidas por meios ilícitos se transformam em punhal e veneno dos que pecam para conquistá-los.

A Igreja celebra a festa dos Santos Simplício, Faustino e Beatriz no dia de seu martírio, ocorrido em 29 de julho de 302. Fazem menção deste fato todos os Martirológios: o Romano, o de São Beda, o de Usuardo e o de Adon; nas Atas de Santo Antímio Mártir, também se escreve a suma do martírio destes santos irmãos.


LEITURAS

Epístola (II Cor 10, 17-18; 11, 1-2)

Leitura da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios.

Irmãos: quem se gloria, glorie-se no Senhor. Pois merece a aprovação não aquele que se recomenda a si mesmo, mas aquele que o Senhor recomenda.  Oxalá suportásseis um pouco de loucura de minha parte! Oh, sim! Tolerai-me. Eu vos consagro um carinho e amor santo, porque vos desposei com um esposo único e vos apresentei a Cristo como virgem pura.

Evangelho ( Lc 10,38-42)

Sequência do Santo Evangelho segundo Lucas. 

Naquele tempo, estando Jesus em viagem, entrou numa aldeia, onde uma mulher, chamada Marta, o recebeu em sua casa. Tinha ela uma irmã por nome Maria, que se assentou aos pés do Senhor para ouvi-lo falar. Marta, toda preocupada na lida da casa, veio a Jesus e disse: Senhor, não te importas que minha irmã me deixe só a servir? Dize-lhe que me ajude. Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, andas muito inquieta e te preocupas com muitas coisas; no entanto, uma só coisa é necessária; Maria escolheu a boa parte, que lhe não será tirada.