Liturgia Diária- 23/04/2018

SÃO JORGE, Mártir

Comemoração- Missa própria do domingo com 2ªs orações próprias

O culto de São Jorge vem do Oriente, provavelmente da Palestina, onde foi venerado muito cedo como mártir. Considerado como patrono dos exércitos cristãos, é celebrado tanto por latinos como por gregos. Roma tem um santuário erigido em sua honra, São Jorge “in velabro”, onde se faz a estação da Quinta-feira depois das Cinzas.

LEITURAS

 

Epístola (I Pe 2, 11-19)


Agradamos a Deus, vivendo a nossa existência de homens, com liberdade soberana;  à força de cumprir, sem desfalecimentos, os nossos deveres, atrairemos irresistivelmente a estima daqueles que conhecem as nossas convicções cristãs. 


Leitura da Epístola de São Pedro Apóstolo.

Caríssimos, rogo-vos que, como estrangeiros e peregrinos, vos abstenhais dos desejos da carne, que combatem contra a alma. Comportai-vos nobremente entre os pagãos. Assim, naquilo em que vos caluniam como malfeitores, chegarão, considerando vossas boas obras, a glorificar a Deus no dia em que ele os visitar. Por amor do Senhor, sede submissos, pois, a toda autoridade humana, quer ao rei como a soberano, quer aos governadores como enviados por ele para castigo dos malfeitores e para favorecer as pessoas honestas. Porque esta é a vontade de Deus que, praticando o bem, façais emudecer a ignorância dos insensatos. Comportai-vos como homens livres, e não à maneira dos que tomam a liberdade como véu para encobrir a malícia, mas vivendo como servos de Deus. Sede educados para com todos, amai os irmãos, temei a Deus, respeitai o rei. Servos, sede obedientes aos senhores com todo o respeito, não só aos bons e moderados, mas também aos de caráter difícil. Com efeito, é coisa agradável a Deus sofrer contrariedades e padecer injustamente, por motivo de consciência para com Deus.

 

Evangelho (Jo 16, 16-22)


O regresso de Cristo é, ao mesmo tempo, a sua presença na vida do fiel e da Igreja, e a sua vinda gloriosa no fim dos tempos. A segunda vinda não etá longe, adverte Santo Agostinho. “A espera parece longa, porque se passa neste mundo; mas quando terminar, veremos como foi curto”. (matinas)


Sequência do Santo Evangelho segundo João. 

Naquele tempo: Disse Jesus a seus discípulos: Agora vou para aquele que me enviou, e ninguém de vós me pergunta: Para onde vais? Mas porque vos falei assim, a tristeza encheu o vosso coração. Entretanto, digo-vos a verdade: convém a vós que eu vá! Porque, se eu não for, o Paráclito não virá a vós; mas se eu for, vo-lo enviarei. E, quando ele vier, convencerá o mundo a respeito do pecado, da justiça e do juízo. Convencerá o mundo a respeito do pecado, que consiste em não crer em mim. Ele o convencerá a respeito da justiça, porque eu me vou para junto do meu Pai e vós já não me vereis; ele o convencerá a respeito do juízo, que consiste em que o príncipe deste mundo já está julgado e condenado. Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora. Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão. Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará.

 

Anúncios

Liturgia Diária- III Domingo depois Páscoa

Domingo de 2ª Classe- Missa própria

“Vou para o Pai”. Também nós Te seguiremos até Ele, Senhor, que sois o caminho, a verdade e a vida.

“Jubilate Deo, omnis terra!” Toda inebriada na alegria da Ressurreição, a Igreja canta o seu júbilo e proclama a glória do Senhor.

Mas as festas da Páscoa, neste mundo, mais não são do que a antecipação da Páscoa eterna, da alegria perfeita, que nos espera no Céu. Será a coroa duma vida cristã, fielmente vivida. 

Desta vida, fiel a si mesma, traça São Pedro um programa tão simples quão sublime. Viageiro a caminho da pátria celeste, o cristão prossegue a sua rota, observando, sem desfalecimento, tudo o que se lhe impõe na sua existência terrestre. Sabe que isso é agradar a Deus. Até as provocações têm sua função: são um germe de vida eterna. Totalmente orientada para o trunfo final, a vida cristã é uma luta, mercê da qual se deve instaurar, progressivamente, em cada um de nós, a vitória já alcançada na pessoa de Cristo. 


Páginas 509 a 513 do Missal Quotidiano.


Missa Rezada às 9:30 horas na Capela São Judas Tadeu e Missa Cantada às 15:30 horas na Catedral Diocesana.


Continuar lendo

Liturgia Diária- 21/04/2018

SANTO ANSELMO, Bispo, Confessor e Doutor

Festa de 3ª Classe- Missa “In Medio”

Santo Anselmo nasceu em Aosta, no Piemonte, e fez-se monge no mosteiro de Bec-Hellouin, na Normandia, presidido pelo seu compatriota Lanfranco, a quem sucedeu em 1078 como abade de Bec, e em 1093 como arcebispo de Cantuária. Tão sabedor de Teologia como de Filosofia, S. Anselmo foi um dos precursores da Teologia Escolástica. Os seus escritos valeram-lhe o título de doutor da Igreja. Como arcebispo defendeu energicamente a liberdade da Igreja contra tirânicas ambições dos reis da Inglaterra. “Cristo nada ama tanto no mundo, afirmava, como a liberdade da sua Igreja”. Santo Anselmo morreu em Cantuária no dia 21 de abril de 1109. 

LEITURAS

Epístola (II Tim 4, 1-8 )

Leitura da Segunda Carta de São Paulo Apóstolo a Timóteo. 

Caríssimo, eu te conjuro em presença de Deus e de Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, por sua aparição e por seu Reino: prega a palavra, insiste oportuna e importunamente, repreende, ameaça, exorta com toda paciência e empenho de instruir. Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas. Tu, porém, sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do Evangelho, consagra-te ao teu ministério. Quanto a mim, estou a ponto de ser imolado e o instante da minha libertação se aproxima. Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. Resta-me agora receber a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos aqueles que aguardam com amor a sua aparição.

Evangelho (Mt 5, 13-19)

Sequência do Santo Evangelho segundo Mateus. 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa. Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus. Não julgueis que vim abolir a lei ou os profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição. Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei. Aquele que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar assim aos homens, será declarado o menor no Reino dos céus. Mas aquele que os guardar e os ensinar será declarado grande no Reino dos céus.

 

Liturgia Diária- 20/04/2018

MISSA DA FÉRIA

Féria de 4ª Classe- Missa própria do II Domingo depois da Páscoa


Páginas 505 a 508 do Missal Quotidiano.


Missa às 18:30 horas na Capela São Judas Tadeu.


LEITURAS

Epístola (I Pe 2, 21-25)


São Pedro aplica a Jesus “em cujas feridas fomos curados”, a profecia de Isaías, sobre o Messias sofredor.


Leitura da Epístola de São Pedro.

Caríssimos: Cristo padeceu por vós, deixando-vos exemplo para que sigais os seus passos. Ele não cometeu pecado, nem se achou falsidade em sua boca (Is 53,9). Ele, ultrajado, não retribuía com idêntico ultraje; ele, maltratado, não proferia ameaças, mas entregava-se àquele que julga com justiça. Carregou os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro para que, mortos aos nossos pecados, vivamos para a justiça. Por fim, por suas chagas fomos curados (Is 53,5). Porque éreis como ovelhas desgarradas, mas agora retornastes ao Pastor e guarda das vossas almas.

Evangelho (Jo 10, 11-16)


“Conheço as minhas ovelhas”, isto é, jesus ama-as, precisa São Gregório. “E as minhas ovelhas conhecem-Me” – amam-Me e seguem-Me! Vede lá, irmãos, se sois de fato do número das suas ovelhas, se O amais, se O seguis! – Homilia de matinas.


Sequência do Santo Evangelho segundo João.

Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: Eu sou o bom pastor. O bom pastor expõe a sua vida pelas ovelhas. O mercenário, porém, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, quando vê que o lobo vem vindo, abandona as ovelhas e foge; o lobo rouba e dispersa as ovelhas. O mercenário, porém, foge, porque é mercenário e não se importa com as ovelhas. Eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem a mim, como meu Pai me conhece e eu conheço o Pai. Dou a minha vida pelas minhas ovelhas. Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco. Preciso conduzi-las também, e ouvirão a minha voz e haverá um só rebanho e um só pastor.